II - Quarenta e oito horas

/
0 Comments


Pensei que hoje acordaria melhor, mas uma lágrima teimou em cair antes mesmo que eu me levantasse da cama. Quem mais além de nós dois entende isso?
Desde o dia em que nos conhecemos, esta é a primeira vez que enfrentamos um período tão longo sem nos comunicarmos. "Longo", eu ainda digo eufemicamente, e acreditando firmemente que viagens para lugares sem sinal de celular deveriam ser proibidas. Qualquer segundo longe de você é suficiente para que eu sinta que posso morrer de saudade assim, a qualquer momento, imagine então quem dirá algo sobre passar dias e dias sem poder me comunicar com você. 
Não há palavra que defina o nível da saudade que eu sinto de nós dois, o nível da dor de pela primeira vez ir dormir sem ouvir o seu boa noite e acordar não podendo te desejar o melhor dos dias, todos os dias.
É ainda ver cada segundo do final de semana passando sabendo que não vou te ver. Ele nem deveria ter começado: finais de semana não são finais de semana sem você para me acompanhar. Sabendo que não vou ouvir a sua voz, sentir o seu cheiro, te abraçar apertado, segurar forte a sua mão ou ainda te dar um beijo longo e demorado.
Eu simplesmente não vou. E não posso.
Essas são dores que imagino que nós dois, e apenas nós dois entendemos.
Com essas palavras tantas, queria frisar apenas que está sendo um grande desafio para mim esse período longe de ti. A todo tempo prefiro pensar que não, que você não está longe e que você tocará a campainha da minha casa a qualquer momento, de braços abertos e pronto para me dar o abraço mais gostoso do mundo. Aquele que só você tem, com seu cheirinho suave, com seu calor, com seu corpo colado ao meu. Sua respiração no meu ouvido. Ah! É impressionante como as lembranças doem...
Hoje tentei ir para os meus lugares preferidos, sem a sua companhia, mas me dei conta de que eles não são meus lugares preferidos. Nunca foram. O que me agrada é a sua presença. O meu lugar preferido é você; o meu lar é em você. Dentro de ti. Dentro do seu abraço, envolta por todo o amor que se pode ter.
Esses tem sido os piores dias da minha vida. Não vejo a hora de você voltar, mas acabo de me dar conta de que estou apenas no meio desse percurso. Você ainda não virá hoje, e nem amanhã. E nem depois de amanhã...
Não sei mais quando você vem. Mas, por favor... vem. Que os dias são chatos sem você, que as manhãs são cinzentas e frias sem a sua companhia, que as tardes são monótonas e as noites são completamente vazias do seu riso gostoso e da sua pele em contato com a minha.
Tudo o que eu quero é você aqui, mais do que já quis em qualquer momento dessa vida. Vem, vem logo. Volta pra mim. Volta pra nós, que o nosso plano de fuga já está completo.